top of page

As Inundações do Rio Grande do Sul e o Impacto das Imagens: Uma Reflexão

As imagens das inundações que transformaram o Rio Grande do Sul nos últimos dias invadiram nossas telas, lares e mentes. Como terapeuta e fotógrafa com experiência na cobertura da construção de hidrelétricas na Amazônia como Jirau e Santo Antônio em Rondônia, Guerra do gás na fronteira com a Bolívia, conflitos na terra indígena Raposa Serra do Sol em Roraima, desmatamento no norte do Mato Grosso, etc. Vivencio a força e o impacto dessas imagens de forma complexa e com muito movimento aqui dentro.


Pra mim existem diversas camadas de significado que essas imagens carregam, tecendo uma reflexão interdisciplinar sobre sua relação com a tragédia, a revolta, a solidariedade e a mudança de paradigma em nossa sociedade. Pra mim, é uma experiência quase existencial, onde a linha entre o observador e o observado se dissolve, pouco a pouco, deixando apenas uma conexão visceral de dor e sofrimento.


A fotografia exerce esse papel, mas o que vemos é um recorte do que está se passando, assim como somos expostos a imagens de guerras, e tragédias humanas explícitas, é fundamental a pergunta: o que estamos de fato VENDO quando tais imagens nos invadem? O que essa imagem está me dizendo sobre como me vejo e sobre a situação em si? Como me relaciono com o que vejo e mais, o que eu faço com isso?


O Poder das Imagens em Tempos de Tragédia


A fotografia, possui um poder inegável de capturar a realidade. As imagens se tornaram testemunhas da desolação, do descaso e da perda. Elas nos confrontam com a fragilidade da vida humana e com a força implacável da natureza.


Ao mesmo tempo, essas imagens também podem despertar na gente sentimentos de revolta e indignação. Como podemos permitir que tais desastres continuem acontecendo? Onde está a responsabilidade das autoridades? Como podemos garantir que as vítimas recebam o apoio necessário? Essas são apenas algumas das perguntas que surgem diante da brutalidade das imagens e que não vão parar de aparecer.

Continua nos comentários abaixo!


Não se limitam a provocar revolta. Elas também despertam na gente, a compaixão, a empatia e o desejo de ajudar. A dor e o sofrimento das vítimas nos tocam e nos fazem querer fazer algo para aliviar a sua situação.


A Fotografia como Ferramenta de Mudança


Essas imagens também podem ser vistas como um chamado à MUDANÇA. Elas nos convidam a repensar nossa relação com o meio ambiente, com quem somos enquanto indivíduo e enquanto comunidade, a questionar os modelos de desenvolvimento insustentáveis e a buscar soluções mais justas e equitativas. A fotografia, nesse contexto, se torna uma ferramenta poderosa para a construção de um novo paradigma, onde a preservação do meio ambiente e o bem estar das pessoas estejam no centro das nossas tomadas de decisão diárias.


A fotografia, tem um papel fundamental nesse processo, servindo como ferramenta para a reflexão crítica, a mobilização da solidariedade e a construção coletiva de uma mentalidade calcada no agir.


Diante das imagens de sofrimento, somos convidados a questionar as posições que assumimos, tanto individualmente quanto em conjunto. As impressões que tais eventos provocam na gente servem como um espelho, revelando nossas reações mais profundas.

 

Posts recentes

Ver tudo

Comments


bottom of page